segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Capas alemãs de Wings

O segundo volume da série Wings também sairá em Março, na Alemanha.
Por curiosidade mostramos aqui as capas alemãs do primeiro e segundo livros.


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Aprilynne divulga excerto do terceiro livro

Falta menos de 100 dias para o terceiro volume da série Wings, Illusions, ser editado nos EUA e para celebrar Aprilynne divulgou no seu blogue um pequeno excerto do livro como aperitivo. Para ler aqui.

Por cá o segundo livro, Feitiços, sai a 11 de Março.

.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Uma pequena espreitadela em «Feitiços»!

«Laurel deu consigo a apertar o pequeno anel que Tamani lhe oferecera um ano antes e que ela trazia num fio fino em redor do pescoço. Tinha tentado não pensar nele durante os últimos seis meses. «Tentado», admitiu a si mesma, «e falhado.» Obrigou-se a abrir os dedos e a soltar o anelzito e procurou fazer os braços menearem-se com naturalidade e confiança junto ao corpo à medida que caminhava em direcção à floresta.
Quando as sombras dos ramos das árvores se abateram sobre ela, um rasgo de verde e preto lançou-se de uma árvore e ergueu Laurel no ar. Ela gritou de medo, e depois de prazer.
– Sentiste saudades minhas? – perguntou Tamani, com o mesmo meio-sorriso arrebatador que a encantara da primeira vez que o encontrara. [...]»

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Q&A com a autora

1. A minha flor favorita é...
O Narciso Amarelo. É a minha flor preferida desde criança. São tão bonitas e alegres!


2. O meu acessório favorito é...
O colar de uma borboleta que uma amiga fez para mim. Recebo elogios sempre que o uso.


3. O meu petisco favorito é...
Chocolate. Qualquer coisa com chocolate. Nunca sobreviveria se fosse a Laurel.


4. A minha parte favorita do Outono é...
As folhas. A adoro quando começam a mudar de cor e ainda sou uma autêntica criança, porque adoro saltar para cima dos montes de folhas secas!


5. A minha cor favorita é...
O Roxo. Sou um bocado maluca por roxo! Adoro roxo em tudo!


6. A minha obsessão mais recente é...
Wicked, o musical! Apaixonei-me pelo musical no ano passado e ainda oiço algumas das músicas todos os dias!


7. O lugar que estou mais ansiosa por visitar é...
Paris, França! Adoro tudo o que é francês!


8. A melhor parte do meu dia é...
Quando os meus filhos vão para a cama e posso gozar uns momentos de sossego com o meu marido. Adoramos jogar jogos de mesa alemães à noite – normalmente é ele que ganha.


9. Aquilo que me faz sempre sorrir é...
Os meus filhos a saltarem no meu colo.


10. Quando faço uma pausa na escrita gosto de...
Ir ao Twitter!

A história de Aprilynne

Nascida em Salt Lake City, Utah (EUA), Aprilynne Pike cresceu em Phoenix, Arizona… até se mudar para Driggs, Idaho, na adolescência. Lá terminou o liceu (e tentou esquecer o frio, participando em actividades extracurriculares como no coro da escola, aula de debate, teatro, etc.) Ganhou uma bolsa para a Universidade, época em que trabalhou como empregada de mesa e fazia companhia a uma senhora de idade. Nos tempos livres participava em peças de teatro, entre as quais My Fair Lady, em que interpretou o papel de Eliza Doolittle.  Aprilynne completou o bacharelato em Escrita Criativa, em três anos.


Aprilynne conheceu o marido, Kenneth Pike, enquanto ele cumpria uma missão de dois anos para a LDS Church. Foi um caso genuíno, e de certa forma supreendente, de amor à primeira vista, mas Kenny acabou por ser transferido pouco depois de se conhecerem. Uma vez que o acesso ao telefone e ao e-mail era limitado, a forma que encontraram para manter o contacto e conhecerem-se melhor foi através de cartas, que trocaram durante 18 meses. Dois meses depois de Kenny terminar a sua missão, Aprilynne foi visitá-lo a casa dos seus pais em Phoenix, onde ele lhe pediu em casamento no primeiro encontro a sério dos dois. Casaram-se menos de 5 semanas depois.


Após terminar a licenciatura, Aprilynne viajou com o marido para Provo, Utah, onde Kenneth iniciou o curso de Filosofia. Aprilynne sustentou-os financeiramente enquanto ele estudava, dando formação a empregadas de mesa e, mais tarde, trabalhando como gerente de um restaurante. Após o nascimento do primeiro filho, Aprilynne deixou o seu emprego. A família mudou-se para casa de um idoso, para partilhar a casa e cuidar do senhor. Foi nessa altura que Aprilynne começou a escrever o seu primeiro livro e a trabalhar numa editora.  Chegou mesmo a tirar um curso de Edição na Brigham Young University.


Quando Kenneth acabou o curso, a família mudou-se para a casa dos seus pais, em Phoenix, Arizona, onde nasceu o segundo filho do casal. Kenny entretanto arranjou um emprego no sector tecnológico e Aprilynne tirou o certificado como doula. Trabalhou como voluntária, dando aulas de parto para adolescentes grávidas. Enquanto isso também desempenhou um papel numa produção comunitária de Oklahoma!, de Rodger e Hammerstein.


Aprilynne e a família regressaram a Provo, Utah, para que o marido pudesse frequentar o curso de Direito. A esta altura já Aprilynne tinha escrito três livros e contactado inúmeros agentes, à procura de quem a representasse. Seis meses depois, Jodi Reamer concordou em representar o trabalho de Aprilynne. Ao fim de algum tempo e ainda não tendo conseguido qualquer contrato com uma editora, Aprilynne resolveu começar a escrever o seu quarto livro – o seu primeiro romance para jovens adultos – tendo terminado o manuscrito apenas algumas semanas antes do nascimento do terceiro filho.


Desencorajada, após anos de trabalho e sem qualquer contrato assinado, numa manhã de Novembro de 2007, Aprilynne convenceu-se de que estava a perseguir um sonho ridículo. Incerta quanto ao futuro da família, Aprilynne voltou a trabalhar, o que deixava pouco tempo livre para a escrita. Contudo, Aprilynne decidiu que era uma luta escusada e que era altura de desistir.


Nesse mesmo dia, enquanto Aprilynne procurava um kit de doula, o telefone tocou. Era Jodi, a sua agente, a dizer-lhe que achara o manuscrito que escrevera para jovens adultos muito interessante. Numa questão de dias já tinham acordo com a chancela HarperTeen, da editora Harper Collins. Aprilynne Pike finalmente alcançava o seu sonho!


Depois de vários meses de revisões, o primeiro livro de Aprilynne, intitulado Wings, foi editado – poucas semanas após o marido licenciar-se em Direito. Wings estreou-se imediatamente na lista de best-sellers do New York Times, tendo subido ao primeiro lugar nas semanas seguintes. Enquanto fazia apresentações por todo o país e revia o segundo volume da série, Aprilynne regressou para o Arizona com a família, onde as suas aventuras continuam.

.

O 1.º Capítulo original de "O Beijo dos Elfos"

Aprilynne Pike publicou no seu site oficial o primeiro capítulo com que começava O Beijo dos Elfos (título original Wings), numa versão mais antiga, antes de reescrever e optar por começar a história de outra forma.
Fica aqui o link para quem tiver curiosidade em ler! (Atenção que poderá ter revelações importantes para quem não leu o livro).

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Críticas dos Leitores

«Quando peguei no livro "O Beijo dos Elfos" não sabia absolutamente nada acerca deste, nem a sinopse tinha lido… De férias e sem nada para ler pedi-lhes um livro, tendo surgido logo de seguida 4 ou 5 à escolha! Escolhi este apenas pela capa e pelo título (já que sou uma fã incondicional do Fantástico!). Comecei de imediato a lê-lo e, apesar de ser claramente um livro para adolescentes, ao fim de dois capítulos já me tinha prendido. Com uma escrita bastante fluida e acessível, Aprilynne Pike encanta-nos com a história fantástica duma rapariga de 15 anos, em muito igual a tantas outras e, ao mesmo tempo, tão diferente de tudo o que conhece. Depressa vamos tomando consciência do mundo mágico a que pertence, deixando-nos envolver pelas atribulações e descobertas desta jovem.

O que apreciei mais neste livro foi o facto de não se tornar demasiado previsível e óbvio, conseguindo manter um certo suspense até ao fim. Quando julgamos saber o que vem a seguir, logo uma reviravolta surge que nos mantém “agarrados”! Penso, também, que a autora foi bem sucedida na sua tentativa de unir factos históricos com a fantasia, mantendo a coerência do texto.

Embora se trate de um livro juvenil, julgo que os fãs do fantástico não ficarão desiludidos com este livro. Fico, então, a aguardar pelo próximo livro!»

in Páginas Desfolhadas